Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


31 de maio de 2013

GOVERNANTE EM CAMPANHA PELA OPOSIÇÃO, «POR ENGANO»


O secretário de Estado Pedro Lomba, participou numa acção de campanha autárquica do PS e diz ter-se tratado de engano. Não parece credível nem edificante um governante cometer enganos deste género. Eles devem usar da dignidade suficiente para poderem afirmar «nunca erro e raramente me engano»

Ser governante significa, ou deveria significar, aos olhos dos cidadãos ser uma pessoa adulta, competente, sensata e com todas as qualidades do mais alto grau. Mas se isto seria o desejável, as realidades, infelizmente, mostram ser muito diferentes.

É muitas vezes afirmado que os políticos colocam em primeiro lugar seus interesses pessoais e os dos seus coniventes e cúmplices e não o rigor das suas acções para bem de Portugal e dos portugueses em geral. Por isso, existe uma permanente promiscuidade, confusão e compadrio com todos os seus pares de qualquer partido, embora nos debates parlamentares mostrem, no momento, um papel diferente. Não há político ou ex-político que fique sem tacho, em situação de carência, com as mudanças de partidos no governo. Entendem-se muito bem entre si e não é para admirar que, na convivência habitual, aconteça irem além daquilo que deve ser conveniente e, depois de topados pelos jornais, como aconteceu neste caso, aleguem que foi por «engano» como faria um menino do ensino pré-primário, quando apanhado em falta.

Imagem de arquivo