Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


19 de maio de 2010

O Presidente Cobarde

Após o discurso do presidente sobre o dito casamento de anormais, não se pode tirar outra conclusão sobre as suas palavras. Se desaprova algo nela, porque a aprova oficialmente. Faz lembrar os discursos dessa maldita cabra falsa e mentirosa que levou o seu partido ao estado miserável em que o deixou, apenas votando nele gente ordinária que com ela comungava os mesmo princípios e aprovava nas suas façanhas animalescas.
Os homossexuais só podem ser anormais, tal como explicado noutros posts anteriores. O comportamento que adoptam é claramente contra a natureza. Explicações já foram apresentadas e não podem restar dúvidas. O facto evidente não implica que, como seres humanos, lhes seja feita injustiça e vedados os direitos devidos a que qualquer ser humano tem direito pelo simples facto de o ser. Devem poder escolher o seu modo de vida sem que tal os penalize seja de que forma for.

Foi isto que foi concretizado nos países verdadeiramente civilizados, mais avançados tanto social como humanamente, característica que lhes angariou esse renome mundial. Ele mesmo o reconheceu. Fazer-se estúpido como o cobarde do Cavaco foi uma atitude absolutamente irresponsável, visto que na sua posição, de que ele não se esquece de lembrar em praticamente todas as suas alocuções, fez precisamente o contrário e o contrário do seu dever em relação à sua consciência. Que importam as razões que avançou, se não lhes deu mérito? Mesmo que a lei tivesse voltado ele teria mostrado estar de acordo com a larga maioria da população e era isso que na altura contava, pois que a lei, tal como tantas outras, poderia substituída por outra mais apropriada por um próximo governo.

Consciência, já sabemos que não a tem, dado a situação de miséria actual que a falta dela e de responsabilidade colocaram o país. Não foram os seus governos, governantes, famílias e amigos que roubaram os fundos de coesão, enriquecendo de um dia para o outro (como Eduardo Prado Coelho contou), aplicaram indevidamente uma pequena parte e lançando o restante em circulação, criando uma euforia de riqueza irrisória para sacar votos, mas provocando com isso uma inflação que subiu de mais de 5%?

Povo estúpido que tolera o roubo, as más acções que o afligem e vota nos seus carrascos porque, afinal, os tolera por a eles se comparar perfeitamente nas suas acções e forma de pensar. Povo intelectual e moralmente miserável, por isso condenado à miséria financeira. E ainda há quem acredite, burramente, que a origem da crise é exclusivamente mundial e que em poucos anos passará. Além disto, a profundidade da crise financeira é incomensurável e tem sido propositadamente ignorada e escondida. Foi originada pelos governos do Cavaco por o dinheiro para reparar o país para o futuro (hoje) foi roubado e o país deixcad0o no atraso que se conhece. Tal como a falta de médicos. Jamais a crise passará enquanto não se elimine a sua causa real para recuperar as finanças em lugar de a esconder para os políticos ladrões e corruptos dela se aproveitarem. Os atrasados mentais julgam que, também eles, disso se podem aproveitar, cúmulo de estupidez.

Aliás, é simples. Para que haja mudanças verdadeiras e duradouras, não apenas flutuações e mezinhas temporárias. Civismo, cultura, consciência, honestidade – valores fundamentados (não heróis rascas) e bons princípios –foram e são as palavras-chave que serviram de modelo às democracias-modelo mais avançadas que tanto se enaltecem, enquanto só de estrumeiras, como a Espanha, os labregos e impostores jornaleiros nos querem impingir por piores exemplos. Enquanto isto não for corrigido Portugal jamais passará dum país do quarto mundo, que o terceiro já nos ultrapassou. Tudo tem sido feito ao invés do que se passa nesses países. A saúde, a justiça, os serviços e as condições sociais (cá, fortemente combatidas pelo CDS e actualmente também pelo PSD, até o PS os massacra), o comportamento dos governantes e a sua dependência e controlo por quem os elege, a correcção no uso da língua, etc., etc.

A não esquecer que para que os métodos dos países avançados e onde os povos são mais felizes será necessário um aumento dos impostos para todos aqueles e para as empresas que mais têm e que os podem pagar. Uma correcção parcial nunca poderá produzir o efeito esperado, mas apenas um prolongamento do atraso. Esse atraso que antes da Abrilada rondava os 20 e poços por cento e que há mais de dois anos o Eurostat disse ultrapassar os 52% e continua a subir.

Estamos muito longe disto, pelo que uma melhoria duradoura está ainda fora de vista. Não, a miséria está para durar e não será erradicada em tão poucos anos como os impostores nos contam, a menos que a mentalidade mude da noite para o dia, o que não é de acreditar. Ainda não há muitos anos se enraizou a ideia de que quando alguma pessoa roubava outra a culpa era da vítima que se deixava roubar! Haverá melhor exemplo do estado mental e dos princípios e valores da população em geral? Assim o querem, assim o têm.