Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


26 de fevereiro de 2012

A Crise Acaba no Fim do Ano!

Ah! Ah! Ah!
Como eles nos gozam!

Não há ninguém que lhes atafulhe as cloacas que têm por cima dos queixos com a matéria de cloaca?

[Clique no título do post para ler a continuação]



Estão cheios de medo e querem convencer os que vão morrer e passar fome a esticarem sem espernear. Onde estão as forças armadas para os enforcarem a todos, já que o povo é cobarde e prefere roer as mãos para matar a fome e para engordar os que o sangram e matam? Era o que se passava numa democracia, pois que eles continuam com todos os privilégios, subsídios, ajudas, etc., intocáveis. Em todos os outros países são aqueles que mais reduções sofrem. Até na Espanha selvagem isso acontece: o governo espanhol cortou 30% ao salário dos gestores das empresas públicas, aplicou-lhes um máximo não ultrapassável e limitou o número de gestores e de administradores. Alguém viu ou ouviu isso nas TVs? Novidade? Os canalhas da desinformação encobrem os roubos, como sempre têm feito, ajudando a corrupção a comer a carne à população. Cá é o contrário, como com o Banco de Portugal, juízes e magistrados, e todos os outros que façam parte de uma qualquer oligarquia.

Revolução contra o roubo

As oligarquias não abrangem só os políticos, são semelhantes a castas que detêm o poder e que de um modo ou de outro roubam o povo. Ainda há muitos desinformados que chamam a isto democracia. É o regabofe do gozo do povo que se rouba até à espinha. Pois não, se em vez de afiar a faca ele deixa e até se ri e vai apanhar sol… A cigarra morrerá à fome. Como se pode aceitar a receita de miséria imposta selectivamente como se está a fazer? É nestas atitudes e em tantas outras semelhantes que os atrasados podem e devem basear solidamente a sua auto-estima.

Não pára de se ouvir a mentira do «fim do ano». Cavaco e Coelho são como um. O PS quer que se acredite que não, mas é para propaganda. Os parrecos esperam todos que um país que já quase não produzia e ainda se lhe destrói o pouco que restava, se vende ao desbarato e se lhe chama investimento estrangeiro ao que vem sugar os lucros em troca de salários miseráveis, comece a recuperar no fim do ano, quando haverá mais de 20% de desemprego. Com que meios? Com o que vão dar aos que investiram? Vão esfregar um pau para acender o lume para cozinhar, ou dar à manivela. para produzirem electricidade para acender a luz? Exagerado? É mais provável do que as condições económicas melhorarem ao fim do ano.

O Coelhaco hipócrita.

Só um louco pode imaginar o cenário que ladrões e vigaristas apregoam. Vê-se – como anteriormente provado – que as crianças de oito anos noutros países são mais desenvolvidas intelectualmente que os portugueses em geral.

Se tivessem mioleiras normais, com o que se passa quereriam controlar quem os rouba, lhes despeja as algibeiras, lhes suga o sangue, come a carne, os goza e no fim os assassina. A simples obrigatoriedade de referendos sobre propostas de leis (ou novas leis), antes ou depois de aprovadas no parlamentos, evitaria a maioria do que se passa. Dizer que os referendos são caros é mentira se forem feitos como nos outros países. Além disso, o que é caro é o roubo que conhecemos e eliminando-o já chegava para os referendos. Os referendos são caros e não têm interesse, mas os roubos são úteis e necessários. Será? E depois, para quê controlá-los quando eles nos representam tão fielmente?