Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


21 de fevereiro de 2013

Sabedoria de grisalhos ou peste de jotinhas ???


Um Sr Deputado fez há dias uma afirmação depreciativa das gerações dos seus pais e avós e das pessoas experientes com reconhecido valor e patriotismo. Gostava que esse Sr me esclarecesse o que considera mais nocivo para Portugal, se são os grisalhos com muito saber, experiência e prudência que os impede de cair nas ciladas de impulsos irrealistas ou se são os jovens irreverentes, arrogantes, teimosos obsessivos que pretendem fazer vencer soluções sem pernas para andar, com prejuízo para os cidadãos, como aconteceu no Governo anterior e como vem acontecendo, há 20 meses, no actual que se apresentou como Salvador da Pátria mas que tem alimentado uma espiral recessiva lesando trabalhadores, pensionistas e população em geral.

Os jovens (jotinhas) actuais, imbicaram na austeridade como se esta fosse a mesinha que cura todos os males, e viria resolver a crise. Teimaram em tal asneira, apesar de vários alertas de pessoas de cabelo grisalho nacionais e estrangeiras. Decorridos alguns meses de sacrifícios suportados pela população mais carente, não puderam deixar de reconhecer erros de previsão por falta de conhecimento das realidades e dos factores intervenientes no fenómeno concreto, e de lamentar os resultados notórios no aumento do desemprego, do encerramento de empresas e de menores receitas fiscais devido a mais reduzida actividade económica.

Mas a teimosia obsessiva e a arrogância do «custe o que custar», doa a quem doer, posso, quero e mando, em vez de procurar outra solução, das várias indicadas pelos observadores e especialistas atrás referidos que desaconselhavam a austeridade, insistiram na mesma asneira. Reforçaram a dose do tóxico que fez adoecer o paciente, na esperança de, com isso, ele se curar!!! Penso que esta imagem da medicina é bem explícita para quem ouse reflectir. Assim como os agentes que vão conduzir à cura não podem ser os que estiveram na causa da patologia.

Gaspar já em 27 de Abril de 2012 confessou que errara as previsões e admitiu que a taxa de desemprego que estava em níveis mais elevados do que o estimado. Também Passos em 14 de Agosto de 2012 anunciou o fim da recessão em 2013, o que teve de esquecer poucos meses depois. E, agora, verifica-se que, apesar de todas as promessas e palavras de optimismo sem fundamento, é admitido que existe uma espiral recessiva de que não se vislumbra o fim.
De entre as opiniões estrangeiras é de citar a vice-presidente da Comissão Europeia, Viviane Reding considera que a austeridade não é a receita certa.

Para onde vamos?

Tenho aqui estimulado os jovens entre os 35 e os 50 anos para cuidarem do futuro de Portugal, que será o seu, pois eles, mais do que os «grisalhos», devem, logicamente, estar mais interessados nessa recuperação porque são eles que mais irão beneficiar para si e para os filhos e netos. Será de perguntar porque não temos visto pessoas dessa faixa etária com real valor a evidenciar-se na actividade pública, sendo certo que nas ciências, nas técnicas e nas artes, alguns jovens se têm destacado tanto dentro como fora das fronteiras. Mas esses fundamentam-se em valores morais que não lhes aconselham misturar-se nas baixezas da política. Esta tem que iniciar uma rápida recuperação para se prestigiar e impor-se ao respeito da população, para evitar repetição das recentes cenas de cânticos a interromper discursos de membros do Governo.

Perante estas reflexões simples, se o Sr Deputado pai da «peste grisalha» desejar deixar um comentário em resposta à pergunta do título, fico muito grato mas peço que não utilize a linguagem politiquês, de palavras elevadas mas sem conteúdo que nada esclarecem, mas sim uma linguagem didáctica que elucide os leitores, principalmente os que mais precisam de ser esclarecidos, como este humilde escrevinhador.

Imagem do Google