Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


25 de maio de 2007

CASA PIA ERA...ZERO

O novo Ministro da Administração Interna, Drº Rui Pereira, quando estava à frente do "SIS", entre 31 de Março de 1997 e Dezembro de 2000, mandou elaborar um relatório sobre a pedofilia em Portugal. O documento revelava um profundo conhecimento das nossas «secretas» sobre a matéria a investigar, nomeadamente, os locais frequentados por pedófilos, identificava alguns estrangeiros, mas, curiosamente, omitia os nomes de «ilustres portuguses» que frequentavam o Parque Eduardo VII, não fazendo qualquer referência à rede pedófila da Casa Pia. Agora, instado pelo semanário o «crime» a comentar este facto, Rui Pereira disse, de uma forma surpreendente, que o seu conhecimento sobre o que se passava na Casa Pia «era zero». Esperemos que agora investido nas suas funções de Ministro da Administração Interna e o desenrolar do julgamento do processo "casa pia" possam fazer com que Rui Pereira se inteire de todos os pormenores sobre um dos maiores escândalos da actualidade e que provocou grandes «fissuras» na estrutura do Estado. O referido relatório fala em nomes de pedófilos da "rede francesa" que efectuaram filmes com menores casapianos.
Fonte: Jornal "O crime" de 17/05/2007.
"O crime não compensa; mais cedo ou mais tarde o criminoso acaba por apanhar uma multa de estacionamento" (Ted Zeigler).

2 mentiras:

A. João Soares disse...

Caro Paulo,
Para os políticos, a verdade é como o camaleão, muda de aspecto conforme as conveniências. É preciso ser politicamente correcta, em cada momento, esquecendo tudo o resto. É por isso que surgem os actos falhados, de um subconsciente em desequilíbrio devido a tantos condicionamentos e repressões, como o de Sócrates quando deu as boas-vindas aos imigrantes que chegam a "um país cada vez mais pobre".
Enfim, errar é humano e os políticos, neste aspecto, são demasiado humanos!
Um abraço

Jorge Borges disse...

Quando interessa ao poder instituído omitir factos, situações, não significa que estas não existam: só não existem aos olhos de quem não interessa, a opinião pública. Quando depois se sabe que, afinal, sabiam, já é tarde para julgá-los. Embora se trate de um "jogo" perigoso e anti-democrático, o poder está disposto a arriscar. Sem escrúpulos.
Um abraço