Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


31 de maio de 2011

A Verdade Sobre Passos Coelho

Temos sido fraudulentamente enganados pelos labregos que promovem os espectáculos nojentos das campanhas eleitorais na televisão. No entanto, alguns jornais e blogs, de evidente menor cobertura têm-se ocupado em saber a verdade e dá-la a conhecer. Os tribunais, ainda que como caracois, também não têm parado.

Conhecendo os factos, devemos constatar que se trata dum criminoso no sentido judicial do termo. Em consequência, o procedimento desses jornaleiros é também obrigatoriamente criminoso por nos estarem a empurrar para eleger um criminoso.

Nesta transcrição estão acumulados três artigos recentes publicados no blog O Verdadeiro Lápis Azul com o mesmo título do presente.


Todos os candidatos destas eleições viram a sua vida escrutinada ao mais ínfimo pormenor. Sabemos tudo e conhecemos bem o passado de José Sócrates, Paulo Portas, Jerónimo de Sousa e Francisco Louçã. De Pedro Passos Coelho nada. Funciona como uma espécie de apagão de “lápis azul” na imprensa portuguesa o escrutínio sobre o passado profissional do líder do PSD que se candidata a futuro Primeiro-ministro. E afinal que passado.

Pedro Passos Coelho tem vários processos de execução fiscal pessoais por frequentes apresentações de declarações fora de prazo. (aqui identificamos alguns desses processos e respectivas coimas).

E como administrador do Grupo Fomentinvest Ambiente, SGPS viu-se envolvido em mais de 10 processos de contra-ordenação (em anexo mapa dos processos de contra-ordenação).

O último foi enquanto Presidente do Conselho de Administração da RIBATEJO em que perdeu no Tribunal da Relação um processo “por muito grave incumprimento das normas de qualidade de água tendo sido aplicada uma coima de 60 mil euros” (outro processo em anexo).

Vale a pena também investigar as “ligações perigosas” do grupo empresarial a que Pedro Passos Coelho está ligado e onde se destacaram os irmãos Cavaco acusados de burla qualificada no caso BPN e Horácio Luis de Carvalho acusado de corrupção activa e branqueamento de capitais e sócio da sub-holding Tejo-Ambiente (que inclui a Ribtejo e HLCTejo).

O Blogue “ Lápis Azul” não tem medo, não tem receio e quebra o manto de silêncio sobre os interesses que estão por detrás de Passos Coelho e da sua ânsia de privatizações. Veja-se o caso das Águas de Portugal e o interesse da Fomentinvest e do seu amigo Ângelo Correia (esta o Expresso não deixou escapar em nota de rodapé).

Imaginem que estas situações se passavam com qualquer um dos outros candidatos. O que seria?! Mas se investigarem que as duas empresas de marketing Brasileiras que estão a fazer a campanha do PSD são pagas por dois grandes grupos de Media nacionais, que perspectivam vir a beneficiar com a eventual privatização da RTP, fica muito clara a razão porque existe uma espécie de “lápis azul” na comunicação social sobre o passado e presente de Pedro Passos Coelho.

Muitas outras histórias iremos denunciar.

Consulte os crimes ambientais das empresas presididas por Passos Coelho

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Notícia I: Ambiente. Empresa dirigida por Passos condenada a pagar 60 mil euros por negligência


Clique na imagem para ver a notícia no Ionline


Líder do PSD era presidente da Ribtejo à data das descargas de águas residuais com níveis de enxofre superiores aos permitidos na lei. Leia mais aqui.
http://www.blogger.com/img/blank.gif

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Expresso - 14 de Maio





- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Cadastro 2



- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Queixa contra empresa de Catroga na PGR


A Agência Portuguesa de Ambiente (APA) remeteu à Inspecção-Geral do Ambiente e do http://www.blogger.com/img/blank.gifOrdenamento do Território e à Procuradoria-Geral da República, no passado dia 2 de Maio, uma denúncia anónima, na qual são apontadas graves ilegalidades à gestão da Sisav - uma empresa que se dedica ao tratamento de resíduos industriais perigosos e que tinha como accionistas a Egeo, presidida por Júlio Castro Caldas, e a Sapec, presidida por Eduardo Catroga.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Acordo na 2ª Secção Criminal do Tribunal da Relação de Évora


Consulte o acordam do Tribunal da Relação de Évora

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

PSD recusa comentar

Segundo a edição online do Diário de Notícias, o PSD recusa comentar as informações que aqui publicámos. Comentar? Esclarecer? Para quê!? Factos são factos.

12 mentiras:

Zita disse...

O problema é que todos acham que se for para lá o partido x ou y as coisas mudam ... iludem-se.
Todos os partidos fazem o mesmo, aproveitam-se do poder e pouco se preocupam com o país.
Mas todo o povo e todos os partidos se empenham em maldizer uns para provar que os outros são melhores, parece SER tarefa inútil, pq não são os erros de uns que fazem correctos os outros.
Será assim tão difícil olhar para trás e ver que esteja lá quem estiver as atitudes são as mesmas, os escândalos, o despesismo, a corrupção , os lobies, a crise, etc etc e etc?
Empenham-se todo em apanhar o parceiro ou o líder em "pecado" para elevarem o seu partido ou a sua campanha. E é assim que se esgotam as energias dos políticos, a lutar pela negativa e nunca pela positiva, sendo reactivos em vez de pro-activos.
O importante, e se realmente, eles gostassem de ajudar o país e fossem a favor do sucesso de Portugal, eles até se uniam para se ajudarem uns aos outros na gestão do país.


E já alguém assistiu a isso? Claro que não,a intenção nunca foi melhorar o pais, nem ajudar os portugueses, mas sim arrastar todos os amigos para o poder, para usufruírem dos tachos.

SERÁ ASSIM TAO DIFÍCIL VER O ÓBVIO?
POR FAVOR FAÇAM UM ESFORÇO. E deixem de ver apenas o que vos metem á frente dos olhos, desconfiem e pensem que madres Teresa de Calcutá há só uma e já se foi.

É preciso mudar tudo mas de raiz. Não é revoltas ocas sem destino que levam a um fim. Tem que haver um objectivo uma acção concreta desenhada.
NÃO VOTEM ATÉ HAVER LEIS PARA NOS PROTEGER DOS POLÍTICOS.
Não adianta manifestações ocas e vazias só para mostrar descontentamento, senão parecemos os políticos.Falamos falamos mas não dizemos nada.
Estão sempre a dizer que é preciso baixar os impostos, subir as reformas, descer a gasolina, etc etc mas NINGUÉM SABE COMO NEM POR ONDE COMEÇAR.
É fácil saber o que é preciso para o país ser mais feliz, mas ninguém sabe como fazê-lo.

NÓS TEMOS QUE COMEÇAR POR ALGUM LADO, NINGUÉM VAI VOTAR, NINGUÉM PACTUA MAIS COM ESTA SITUAÇÃO.
Aceitam-se mais sugestões.
Leiam o blog e se concordam vamos começar por uma ponta. Espalhar a ideia.

Os políticos tem que ter regras. Afinal onde começa a liberdade deles acaba a nossa.
Para eles esbanjarem nós vivemos a poupar.

A. João Soares disse...

Regime precisa de uma volta 110607 em Mentira
http://mais-mentiras.blogspot.com/2011/05/verdade-sobre-passos-coelho.html
Amiga Zita,
Aquilo que aqui diz está muito correcto, mas não passa de água destilada sobre o diagnóstico da doença, já amplamente feito por vários comentadores em todos os órgãos da comunicação social. Corresponde, de certo modo, à essência da primeira parte do método descrito em Onde Estamos? Para Onde Vamos?. A dificuldade está em arrancar para a definição da terapia, para a mudança das mentalidades e do regime, que corresponde à segunda parte – para onde vamos?..
Como dizia Luís Campos e Cunha «As instituições, como as universidades, os hospitais públicos ou os partidos políticos (e contrariamente às empresas em concorrência) não se auto-reformam. No caso dos partidos, é necessário que haja pressão da opinião pública de forma clara e, eventualmente, organizada para os partidos mudarem e para aparecerem mais alternativas. Como?»
Tem que haver pressão dos cidadãos. E será conveniente que essa pressão seja eficaz mas evitando efeitos secundários na sociedade, coisa que, infelizmente, acontece em todas as revoluções. Sugiro que se inicie esse trabalho, com uma lista de tarefas, bem explicadas, um código de conduta de governantes, «os dez mandamentos dos políticos», etc.…
Abraço
João

Mentiroso disse...

O que se lê no post só pode ser interpretado como «água destilada» num país que não seja um estado de direito e onde a corrupção tenha tanta força e poder como em Portugal. Realmente o que faz falta é ácido sulfúrico em cima deles que os derreta de vez e para sempre. O texto do post é bem pesado por conter alusões directas a factos concretos incontestáveis e documentados oficialmente. O arrojo da corrupção em ignorá-los é só possível num país que não seja um estado de direito como Portugal de facto não é e com o encobrimento da gentalha jornaleira em aberto conluio.

De acordo com o que já repeti imensas vezes, como não vão querer matar a galinha dos ovos de ouro e isso é imprescindível, terá que haver alguém de fora que o faça: teremos que ser nós, o povo a fazê-lo, para recuperarmos a soberania que nos é devida. Não vale a pena mencionar que o caminho pacífico é sempre o melhor, mas a necessidade é premente e caso isso não seja possível, então que se faça a ferro e fogo. Que morram os algozes do povo.

Sei que estou certo e sei o que é democracia porque a estudei quase à exaustão ao longo de três décadas, enquanto em Portugal o povo tolo e enganado corria aos berros de "Somos livres" como se fossem táxis «Estou livre». Quem haveria mais fácil de enganar? E assim continua.

Não adopto nada, nem a escrita que fuja às suas regras: tradição popular e etimologia.

O que está neste post é grave à luz da democracia (ainda que inexistente) e não é água destilada.

Manuel disse...

Depois de analisadas as denúncias e documentos,não se encontra nada a punir. Só se consegue descortinar 1 crime. Passível de acção judicial por calúnia ou difamação. Se há algum criminoso é o autor da cobardia. O Sr.Mentiroso.

Mentiroso disse...

Caro Manuel,

Este post não requer alauso nem negação- Limita-se à apresentação de factos consumados, ou seja julgados em tribunal. A isso chama-se constato. Os casos em curso de investigação existem também.

«Depois de analisadas as denúncias e documentos,não se encontra nada a punir.»
Os juízes encontraram e o acórdão existe. Porque será?

Tentar negar qualquer coisa consumada, seja ela qual for, publicamente conhecida e verificável, é no mínimo incapacidade mental e tomar os outros por aquilo que se é. É também de louco ou de parvo e idiota. Todavia, também pode advir de alguém que se julgue ilusionista ou que seja como os políticos vendedores de banha da cobra, que negam o que todos podem ver.

Embora a fotocópia do Acordam (como lá está escrito) esteja aqui publicada, pode sempre requerer uma certidão na secretaria do tribunal. Fale depois com ela na mão.

São os defensores da corrupção e do crime que mantêm o país como se encontra, impedindo o fim do roubo e da corrupção.

Manuel disse...

Caro Mentiroso,
Os termos em que se me dirige, e a argumentação empregue, dizem tudo sobre o seu carácter.
O que os seus leitores apreciariam, e os cidadãos agradeceriam, era a denúncia de corrupções por condenar. Não pretensos pequenos "crimes" punidos. Senão estará a chamar criminosos a milhões de portugueses honestos que tentaram fazer algo na vida, de forma transparente, assumindo responsabilidades, e que pagaram por isso. Só não erra quem nada faz, e acho que nenhum patriota quer um Santo para primeiro ministro.
Mas você está apenas interessado, em a coberto do anonimato, massajar um ego mal criado.
Eu não estou interessado.
Ficamos esclarecidos.

Mentiroso disse...

Obrigado por ter voltado a comprovar a mentalidade que faz do país aquilo que ele é depois de o ter conduzido onde ele se encontra. Aliás, não é novidade, foi escrito quando esses facto se iniciaram e está publicado há muitos anos. Só não o vê quem disso tire proveito ou seja mentalmente tão atrasado que nem consiga vislumbrar a realidade e que está a contribuir para o mal do país e do seu próprio.

Não é, pois, de admirar o que se passa em Portugal. Outra coisa muito mais significativa é que é de espantar. Os políticos, da mesma criação e estirpe da população – como é normal e evidente – filhos de pais idênticos, que estudaram em escolas idênticas e a que foram incutidos os mesmos princípios e valores, comportam-se absolutamente do mesmo modo que o grosso da população. É, pois, de espantar, que uma população assim reclame sobre os seus iguais.

Alguns, porém, em contraste e crassa oposição, teima em se flagelar masoquisticamente, defendendo as ideias e os caminhos que lhes tramaram a vida, o que, nas circunstâncias, poderia ser admissível, não fossem as consequências comprovadas.

Algo se constata na diferença entre o comentário de 11-8 e o de hoje. No anterior era negada a existência de qualquer crime e até a do próprio acórdão do tribunal. Os franceses diriam «il faut vraimente avoir du culot». Eu diria: banha da cobra de político. Nesse comentário, criminoso era quem reconhecesse o dito acórdão. No de hoje reconhecem-se «pretensos pequenos "crimes" punidos», ainda que relutantemente. os pequenos crimes não são crimes? e os que estão em causa, poderão ser honestamente considerados «pequenos»? Não é uma questão de opinião.


Esta frase é muito interessante: «Senão estará a chamar criminosos a milhões de portugueses honestos que tentaram fazer algo na vida, de forma transparente, assumindo responsabilidades, e que pagaram por isso.» Merece uma pequena análise. Existe, realmente, uma pequena minoria de portugueses que assim pensam, mas quase todos eles imigraram e devido a isso nem querem voltar. E sim, se são corruptos, calões que querem ser pagos pelos que trabalham mas sem fazer nada (querem viver como nos países onde se trabalha, mas sem trabalharem), se não assumem responsabilidades e julgam terem todos os direitos e nenhuma obrigação, são desonestos, se roubam e se apoiam os políticos seus iguais, sim, são todos criminosos, sejam eles 100 ou cinco milhões. É factual e negá-lo é ser hipócrita e esforçar-se por perpetuar o mal do país.

Interessante. donde poderá vir tal ideia de que um pseudónimo possa significar anonimidade? Mais um erro insensato e cego a juntar aos restantes.

A. João Soares disse...

Caro Mentiroso,

sem querer atiçar a fogueira, eis uma imagem dos actuais governantes:

Santos Pereira, como um profeta SALVADOR infalível, sem «a mínima dúvida» (!!!), garantiu que o Governo vai implementar «reformas estruturais históricas».

Segundo a sua profecia, as actuais dificuldades serão «ultrapassados se «implementarmos reformas verdadeiramente estruturais e não nos escondermos atrás de estatísticas e manipularmos estatísticas»». «Este Governo está totalmente empenhado em implementar as reformas estruturais que o país precisa». Mas não dá sequer um exemplo delas.

Com demasiada presunção, sublinhou não ter «o mínimo de dúvidas» de que estas mesmas reformas «serão verdadeiramente históricas e marcarão a economia portuguesa durante décadas». Parece que o País não precisa de reformas históricas (do passado) mas de reformas inovadoras (do futuro) e depois, a longo prazo, tais reformas poderão ou não ser classificadas de «históricas»

Disse mais que, para isso, é «absolutamente fundamental» «uma verdadeira consolidação orçamental», sendo necessários «cortes de despesa». «Iremos anunciar e temos vindo a anunciar, e nos próximos dias anunciaremos ainda mais, cortes de despesa, exactamente para conseguirmos alcançar esta consolidação orçamental» e para «aumentar a competitividade da nossa economia».

Enfim, não faltam promessas. Mas gostaríamos de ver realizações, trabalhos em curso, actividades concretas, reais, embora compreendamos que Roma e Pavia não se fizeram num dia. Porém, nada será visto enquanto os governantes se jactarem com anunciar, anunciar, anunciar, promessas vagas sem ponta a que a nossa esperança se possa agarrar. No final, resumindo à procura do essencial, temos que concluir que Santos Pereira nada disse, limitando-se apenas a falar!

Também a promessa já anunciada por Assunção Cristas acerca de intenções de eliminar a Expo-Parque, deixam a dúvidas (coisa que o Salvador Álvaro não sabe o que é!) de que na parte Oriental da Capital possa vir a surgir um novo caso BPN a absorver a maior parte do pouco dinheiro que ainda possa existir, para resolver o pesado passivo existente na empresa pública. Façamos o esforço de procurar ter esperança em melhores dias.

Enfim, não faltam promessas vagas e obscuras. Mas precisamos de factos tranquilizadores.

Abraço
João

Mentiroso disse...

Caro A.J.S.,

Então não tivemos já as as decisões mais tranquilizadoras que o governo poderia ter dado? Em lugar dos impostor directos e sobre as fortunas,aumento do IVA para espoliar os que menos têm. Isto depois de tantas e repetidas mistificações do Coelho em que não iria aumentar os impostos, Este modo de vigarizar a população nas eleições, em que afirma ainda um pacote de mentiras, é um crime de vígaro contra a população, não menor do que aqueles por que foi condenado. O escandaloso impostor veio ainda esta semana repetir a história das «gorduras», mas até agora, nada.
A decisão mais tranquilizadora au~inda foi a de acabar com as nomeações directas de parasitas políticos para cargos de responsabilidade do estado. Passaram a ser efectuadas por um grupo «independente» formado por parasitas partidários!

A questão do Álvaro Pereira faz lembrar a fuga do Guterres por não ter podido controlar os interesses dos políticos contra os interesses nacionais. O Álvaro Pereira é um sonhador parvamente convencido que a corrupção se encontrava apenas no PS, como se depreende facilmente pelo seu blog. O pobre nem sonhava que ia cair num antro de corrupção igual àquele que justa mas desmioladamente combateu. Ou não ficará por lá muito tempo ou acabará domesticado.

Neste preciso momento, a única esperança está no novo cabecilha do PS, se tivermos em atenção o seu passado. No entanto nenhum milagre é de esperar, porque mesmo que dotado das melhores intenções, poderá vir a ter que imitar o Guterres.

Manuel disse...

Caro Mentiroso,
Dentro de alguns anos, os amigos criminosos da esquerda voltarão ao poder.
PS: Desconhecia que há internet no Júlio de Matos.
As melhoras.

A. João Soares disse...

O «anónimo» Manuel (pois os pseudónimos podem ser adjectivos ou nomes próprios)deu agora uma dica muito interessante, acerca do Júlio de Matos. Acerca do pseudónimo e do seu estilo recordo o comentador Leandro - Bermardo, pertencente a um manicómio de esquerda, que poderá ter interesse em ler.

Aparentemente tratava-se de um «boy» contratado com salário principesco para tarefas deste género, como parece ser o caso do «manuel».

Penso que este espaço deve ser aproveitado para trocar ideias sobre as melhores formas de defender os interesses de Portugal e não para reduzir Portugal a pó, com intenção de engrandecer grupos de pessoas ambiciosas que, considerando-se donas absolutas exclusivas da verdade, tratam os outros com um radicalismo sem ética nem moral como os que condenaram Galileu Galilei e Salman Rushdie.

Os cidadãos sem funções governativas devem discutir ideias por mais diferentes que sejam, mas sempre com vista a melhorar Portugal e, nisso, devemos respeitar as ideias dos outros tal como queremos que respeitem as nossas.

Aos governantes, já não basta ter ideias, competência e boas intenções, mas têm que tomar as decisões mais acertadas. Já não podem satisfazer-se com discursos de marketing, vazios de conteúdo e de verdade, precisam de decidir e, para isso, pensar antes por forma a escolherem as melhores soluções.

O radicalismo entre esquerda e direita, como as suas palavras sugerem, tem que ser ultrapassado porque boas ideias e soluções podem vir de qualquer sector do país. E tal radicalismo só favorece as agências de emprego em que os partidos se transformaram. Infelizmente as eleições consistem em se optar por candidatos que o povo não escolheu e, muitas vezes, nem conhece. Daí que haja muitos que defendem o «voto em branco».

Já me alonguei muito, demais, para o nível a que o «manuel» colocou a polémica.

Cumprimentos
João
em Do Miradouro com 3078 posts publicados

Mentiroso disse...

Nem há mais para acrescentar, de tão profunda miséria mental dificilmente mais bem patenteada. O atraso na maioria das pessoas é de tal ordem que se matam a defender quem os mata. Cegos e bêbados pelo álcool do marketing e drogados pelo ópio da banha da cobra, ainda crêem que um partido – o seu – seja melhor do que os outros, que a corrupção e os ladrões não sejam iguais. É esta a única causa da continuidade da desgraça que pesa sobre o país, que impede uma melhoria e trava a mudança, apoiando os seus iguais. Deveras interessante é que um autêntico anónimo cobarde, como a maioria o é, pretender que pseudónimo seja equivalente ou igual a anónimo. Para ele é o mesmo e ignora a grande percentagem de escritores a todos os níveis que usaram pseudónimos. Fernando Pessoa usou pelo menos seis, que se conheçam. Na verdade não escreveu um comentário contributivo par o que quer que fosse. Limitou-se a impor o seu fanatismo político.