Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


19 de junho de 2007

O Cancro Político na Blogosfera Portuguesa

Pequena análise sobre o bando de oportunistas sem escrúpulos, parasitas, facciosos políticos, impostores e outros mal intencionados que infestam a blogosfera portuguesa. Aviso aos incautos, presas fáceis de procedimentos desonestos.

Os falsos profetas
Com o crescimento da blogosfera, paralelamente cresceram também os oportunistas em todos os campos, assim como os parasitas. Refere-se aqui unicamente o oportunismo político, os vendedores da banha da cobra que se aproveitam da miséria do estado da nação para propagandearem a corrupção como salvação aceite por uma população formada por uma grande maioria de ignorantes.

Estes blogs apresentam os casos e discutem-nos dum modo revestido duma falsa imparcialidade. No entanto, ao os lermos, é impossível deixar de notar as alusões feitas em favor de um ou de outro partido, consoante a cor política do seu autor. Logo, o êxito dos seus autores só pode ser atribuído à enorme proporção de carneiros desinformados por eles e pela jornaleirada incompetente iletrada e indigna que os desinformou. Este êxito é também, obviamente, directamente proporcional à percentagem de ignorantes e papalvos que formam a população crédula e tão facilmente manipulável por qualquer vigarista.

O blog intitulado José Maria Martins é por si só uma evidência palpável deste tipo de atitude. Em resumo (para mais, veja-se no link precedente), ataca casos com fundamento e objectividade, mas aproveitando essa mesma justa causa, impinge ideias políticas, demolindo seja o que for para exaltar a sua escolha política. As críticas são justas e apropriadas, mas o caminho imutável apontado a dedo como solução, repleto de sectarismo, é nojento. E porque será que passa casos que dão brado completamente em branco, como o caso do Prof. Fernando Charrua? Autêntica banha da cobra que tem enganado muitos que se deixem levar pelo assobio da serpente. Não se pode fazer como esse blog faz: mencionar os podres e tentar impingir uma solução que só poderá servir para piorar os casos que se refere. Ter-se nascido atrás dum chaparro não dá direito a enganar todo o mundo.

Outro blog que segue a mesma linha de pensamento, arvorando iguais intenções, é o Margem Esquerda (existe outro blog com o mesmo nome, motivo porque aqui se indica o URL deste blog, a fim evitar enganos, mas que se pode aproveitar para notar o interessante conjunto de um post com os seus comentários).

Os anónimos
Os comentários de anónimos têm crescido à olhos vistos, mas não de um modo geral. Este crescimento verifica-se sobretudo nos comentários deixados em blogs políticos polémicos, quer polémicos honestos, quer polémicos desonestos. É unicamente destes anónimos que aqui se trata.

Deve fazer-se ainda uma diferença entre um comentador que use um pseudónimo agregado a um qualquer registo da Internet, seja site, blog ou ISP e um anónimo. Os pseudónimos são apenas isso, pois que são facilmente localizáveis e identificáveis. Muitos escritores, alguns entre os mais conhecidos e notáveis, de todas as nacionalidades, publicaram as suas obras sob pseudónimos. Não foram nem são anónimos. Um anónimo não quer ser reconhecível e, propositadamente, tenta esconder-se ou evita deixar qualquer rasto. Há anónimos que são conhecidos dos autores de alguns blogs onde deixam os seus comentários e apoiam-se neste facto para dizerem que não são anónimos. São, ou não são? Partindo do princípio que um blog é afinal público, e que uma única pessoa o conhece e não tem qualquer obrigação de dar a conhecer de quem se trata nem o faz, a desculpa não tem esteio.

O anónimo, nestas circunstâncias como em muitas outras, é um cobarde. Sobretudo nos comentários em que se reconhece a intenção dele querer fazer passar uma mensagem de contrariedade sem fundamento nem lógica, a defesa dum partido ou acto político condenável por razões humanitárias ou pelos resultados constatados. Sobretudo, ainda, em todos os casos em que se denote propaganda política partidária sectária. Estes casos são prova real da cobardia e da má fé dos comentadores.

Vários facciosos oportunistas não querem perder ocasiões e publicam textos nas áreas de comentários de certos posts, mas que não são comentários, pois que o que lá escrevem em nada se relaciona com o post em si. Um exemplo flagrante dum caso assim pode ler-se nos comentários a um post do blog Do Portugal Profundo. Repare-se que este tipo de propaganda de má fé, embora utilizando o mesmo meio que as tentativas de publicidade que alguns bloguistas efectuam para promover os seus blogs, não é a isso comparável. É um método utilizado para espalhar ideias partidárias que defendem a implementação dum estado que açaima e subjuga a nação, visivelmente fruto de baixos sentimentos e com más intenções.

Endereços de correio electrónico
Outra anomalia nos blogs mantidos por portugueses, por comparação aos blogs particulares noutros países, é a enorme ausência de meio de comunicação, ou seja a ausência da publicação de qualquer endereço de e-mail. A questão do blog ter um acesso por comentário não pode servir de pretexto, não é equivalente.

Que se passará na mentalidade arcaica e cobarde nacional, que justifique este acontecimento? Medo de spam? Não, porque existem vário modos de o evitar para um e-mail exposto. À falta doutra razão não se conhece outra que não esteja ligada às características dum povo atrasado, medroso e desprezando o seu demelhante.

Mais uma fobia como aquela que os impede de se unirem contra aquilo que mais os apoquenta, mas que preferem sofrer em silêncio como uma pobreza envergonhada. Lamentam-se, choram-se, mas nada fazem num sentido que lhes resolva os problemas, que lhes simplifique a vida, que os livre do jugo das oligarquias e das plutocracias.

Adoram nadar na cloaca da corrupção, como muito bem diz o procurador-geral. Daí a validade sempre actual do velho ditado de que “cada povo tem o governo que merece”. Ou se se preferir outra versão pelas palavras de José Saramago: "é altura de protestar, porque se nos deixamos levar pelos poderes que nos governam e não fazemos nada por contestá-los, pode dizer-se que merecemos o que temos".

Só admira é porquê tanta choradeira se nada fazem para mudar e preferem continuar na cepa torta? São realmente o pasto ideal para o desenvolvimento das oligarquias parasitas que os dominam por não terem coragem nem vontade para as sacudir. Os que os exploram sabem-no perfeitamente, pelo que não receiam exercer a repressão, roubar tudo a que possam deitar a mão e escravizar os atrasados.

Tudo isto, claro, com o apoio dos jornaleiros que lhes dá toda a ajuda indispensável para os manter na mais profunda ignorância. Ignorância daquilo que é uma democracia e de como funciona, de como os povos avançados dominaram e subjugaram os seus políticos e os mantêm sob estreita vigilância, a ponto de nalguns países nem terem direito a modificar uma lei ou um imposto sem a autorização expressa do povo soberano.

Evidentemente, o atraso mental é tão grande que tudo isto só pode ser tomado como uma utopia incrédula para a quase totalidade dos portugueses tal a ignorância em que têm sido mantido à força é intensa.

Lembrança para uma possível mudança
Recordemos que estamos fartos de tretas de políticos, falsidades, imposturas, promessas e mezinhas. Sobretudos esta últimas, pois que são usadas para enganar, fazendo como que um blow-up fotográfico dos efeitos imperceptíveis e praticamente inúteis das mezinhas, no único fito de caçar votos.

O povo ainda não compreendeu o que fez as outras nações atingirem a democracia, porque corruptos não são só os políticos portugueses; o problema está em mantê-los à rédea curta. O problema não está nos partidos, mas na corrupção dos políticos que os formam deixados em plena liberdade. Ver aqui, neste blog, uma análise de por onde se deve começar para exterminar a corrupção, relacionado com o assunto deste este post e hoje o mais importante para o país, porque não se está a fazer nada pode mudar. Pelo contrário, tudo o que se faz vai no claro sentido de perpetuar a corupção.

11 mentiras:

Barão da Tróia II disse...

O problema é que somos umas grandes cavalgaduras, o problema é que passamos de 40 anos de ditadura, para o despautério da revolução/contra-revolução dos anos 70, democratizados à força da Lei, a mentalidade ficou igual, desembocamos no oásis cavaquista dos 90, tudo à fartazana, sem nunca pensarmos nas contas para pagar, mantendo o caciquismo, o compadrio, o amiguismo mesquinho e torpe das mentes pequeninas. Aterramos na paixão guterrista já semi enterrados na trampa que fizemos, acabando finalmente acordados em pleno revoltejar socrático, tão pobres como estavamos, com autoestradas, CCB's, estádios e expos, festas e festanças onde a malta não pode ir porque o arame não estica, mais uns pós de analfabrutismo endémico, futeboladas, novelas anestésicas e sacristices beatórias e "voilá"; 10 milhões de almas a carneirar adormecidas, os poucos que andam acordados, bloguam, fazem, questionam, lutam e chegam ao fim cansados de tanta estupidez colectiva de tanto inútil de tanta imbecilidade. Excelente o vosso post, boa semana

Anónimo disse...

CARO AMIGO

É SEMPRE COM PRAZER QUE RECEBO OS SEUS POSTs....

E JÁ NÃO É A PRIMEIRA VEZ QUE ME SURPREENDE....EMBORA RARAMENTE.

ESTE POVO ESTÁ "EMBESILIDADO"
" ADORMECIDO" E TÊM O GOVERNO QUE MERECEM, QUEIXAS NAS MESAS DO CAFÉ
É A FORMA DESTE POVO SE LAMENTAR, QUE ALIÁS NÃO SABE FAZER OUTRA COISA.

QUANTO AOS ANONIMOS, NORMALMENTE NÃO LEIO NEM COMENTARIOS NEM POST, CONTUDO NO MEU CASO PESSOAL QUANDO FAÇO UM COMENTARIO LOGO A SEGUIR DEIXO QUEM O FAZ
" BLOG SEM PALAVRAS"
PORQUE NÃO CONSIGO DESDE ALGUM TEMPO IDENTIFICAR O "USERNAME" E PASSWORD" NÃO ACEITA, E GOSTAVA DE SABER PORQUÊ, POIS SEMPRE O UTILIZEI. MAS IDENTIFICO SEMPRE QUEM ESCREVE " BLOG SEM PALAVRAS"
LATF.BLOGS.SAPO.PT E ENDEREÇO LUAR888@GMAIL.COM.

UM ABRAÇO

" BLOG SEM PALAVRAS"

Anónimo disse...

CARO AMIGO

ESQUECI-ME DE DIZER, QUE SOU VISITANTE ASSIDUO, DESTE SEU BLOG BEM COMO O BLOG É MENTIRA E LEÃO PELADO DESDE HÁ MUITO, ESTÉ O TENHO
LINKADO.

UM ABRAÇO

"BLOG SEM PALAVRAS"

LFM disse...

Não peço muito. Apenas que a justiça funcione. Era o começo de uma nova era.

Savonarola disse...

Acho este post uma denúncia importantíssima daquilo a que o povo, na sua sabedoria - que muito respeito, por eu próprio ser do povo - diz "tomar o gato por lebre". A Internet, tal como a sociedade portuguesa, está cheia de lacaios do poder. Os mais perigosos são aqueles que optam por deliberadamente esconder a sua subserviência sob a capa de serem polémicos ou contestatários. Estes são os mais perniciosos, porque fazem passar por verdades evidentes uma mensagem favorável ao sistema, tal como o fazia no tempo do cavaquismo - para não deixar dúvidas sobre o que estou a dizer - o Pacheco Pereira. Na minha modesta opinião (quem sou eu afinal para falar dos deuses?), ele era o ministro da Propaganda, o Goebels, do primeiro-ministro Cavaco, o Hitler da altura.
Portanto, caro mentiroso, apoiado!
Um abraço anarquista

Joao Soares disse...

Incluí o vosso lúcido blogue no meu Dossier Terra Política
http://bioterra.blogspot.com/2006/12/terra-poltica-mais-links.html
Abraços
PAZ

Dalila disse...

Obrigada pelo comentário

Laurentina disse...

Pois é são todos uns brincalhões ...faltam é muitos lampiões e espelhos nas esquinas.

Mentiroso disse...

Barão
Pois, o problema tem sido precisamente esse: a manutenção de mentalidade atrasada, propositadamente assim mantida pelos interesses ilícitos do banditismo político que conhecemos. É essa a primeira causa de todos os males, mesmo excluindo os de natureza política ou liberdade. Está aqui há muito tempo.

LFM
Isso não é pedir muito, é pedir demais. Os juízes portugueses são uma bando de peneirosos, mandriões e incapazes que só querem privilégios a que em países democráticos não têm direito. As estatísticas europeias provam-no: (1) Por ano não resolvem mais do que a metade dos casos que os seus colegas europeus; (2) Arquivam uma enorme percentagem de casos, sem equiparação em qualquer noutro país; (3) A sua justiça não satisfaz a população. Por aqui se vê que não são melhores que os outros. Como haveriam de ser, se com eles andaram na escola e foram criados pelos mesmos educadores incapazes que formaram as gerações actuais.

A. João Soares disse...

Uma acusação ao sistema, à sociedade, aos oportunistas e exploradores e embusteiros. Um alerta a incitar à meditação sobre o estado a que tudo isto chegou.
Poderá haver quem critique com a pergunta, mas então o que devemos fazer? Será uma pergunta daqueles que esperam que alguém lhes resolva o problema o qual deve ser resolvido por todos e por cada um, dentro das suas possibilidades. Não podemos que alguém resolva e nos coloque a solução no prato pronta a comer. Há que manifestar a indignação, que não se resignar, que não aceitar situações de exploração.
Até na ocupação dos tempos livres, as pessoas podem evitar ser carneiros ou minhocas, em vez de se deixarem intoxicar com novelas e outros programas alienantes, podem desenvolver a sua independência de pensamento e a formação de opinião.
Um abraço

Paulo Sempre disse...

Há quem diga já ouvir o troar de novos "pacotes legislativos" para condicionar o livre pensamento via virtual.Outros asseguram que não. É apenas o «medo» a rir impiedoso do país inseguro, hesitante entre um jogo de futebol e os políticos de "sargeta". Ainda assim, alguns dos que usam estas "janela" (blogues) para divulgarem o seu livre pensamento, já se imaginam a arrastar-se penosamente ora com medo da insegurança virtual ora desconfiados dos politicos que querem acabar com ela.
Que futuro...?

Abraço
Paulo