Mentira!

Neste blog e noutros sites do autor poderá prever o futuro do país tal como o presente foi previsto e publicado desde fins da década de 1980. Não é adivinhação, é o que nos outros países há muito se conhece e cá se negam em aceitar. Foi a incredulidade nacional suicidária que deu aos portugueses de hoje o renome de estúpidos e atrasados mentais que defendem os seus algozes sacrificando-se-lhes com as suas famílias. Aconteceu na Grécia, acontece cá e poderá acontecer em qualquer outro país.
Freedom of expression is a fundamental human right. It is one of the most precious of all rights. We should fight to protect it.

Amnesty International


2 de junho de 2007

O Logro – Dividir Para Reinar

Muitas pessoas não se importam de ser mal tratadas, acham que se vão escapando por si sós, pobres diabos. A base da política portuguesa actual é "dividir para reinar" a fim de que a corrupção continue em vigor e que dela os corruptos possam tirar partido, vigarizar, parasitar.

O povo, anestesiado pelos corruptos e mantido numa profunda ignorância por jornaleiros nojentos que encobrem e não contam como se passa de verdade em países democráticos – só revelam maus exemplos, como de Espanha e um ou outro bom, mas sem grande valor ou utilidade, para despistar. O povo ainda não compreendeu o que fez as outras nações atingirem a democracia, porque corruptos não são só os políticos portugueses. O problema está em mantê-los de rédea curta.

Por exemplo, nunca ninguém aqui contou ou ouviu sobre a enorme corrupção dos políticos ligada a tudo o que desse dinheiro e alvíssaras por actos corruptos, desde a década de 1970 até princípios da de 1990, na Irlanda. Ninguém sabe como o povo se uniu e agiu até domesticar os políticos, nem como a polícia os caçou e levou a tribunal. Os casos de corrupção de tipo até certo ponto idênticos aos que há em Portugal, excepto na usurpação de cargos da administração pelos partidos, abundavam. Até o primeiro-ministro estava implicado, foi julgado e condenado. Foi uma razia e meteram os políticos no seu lugar. Nisto não se fala porque incitaria os carneiros a acabar com a sua exploração pelos nefandos.

O que se passou em Portugal e o que originou a situação actual está historicamente contado no
Site da Mentira! Não defende nem ataca nenhum partido em especial, limita-se a narrar os acontecimentos. Tal como ocorreram, mas que até hoje têm permanecido escondidos para não afectarem quem lucra com a corrupção – os próprios corruptos.

Há dois pontos fulcrais que devem ser corrigidos em primeiro lugar e sem os quais nada mudará. Porque são eles a base para que qualquer coisa mais do que mínima possa mudar. Ambos com a mesma importância e prioridade:

  • O estabelecimento no limite máximo das pensões de reforma, não permitindo aglomerações; isto existe há décadas nos outros países europeus, na maioria já desde a implementação dos seus sistemas de pensões.

  • Os cargos públicos passarem a ser "cargos públicos"; acabar de vez com os assaltos a esses cargos pelos miseráveis parasitas militantes dos partidos cada vez que um governo é substituído, como se fossem despojos de guerra. Sem que os serviços da administração sejam dirigidos por indivíduos competentes que ganhem os postos por mérito reconhecido por concurso público e sem corrupção, nada poderá mudar na administração pública ou do Estado.
Os corruptos dos políticos dizem que querem que esses postos sejam ocupados por gente de sua confiança. Isto explica tudo. Explica que querem que os seus actos corruptos e de ladroagem, como luvas (pay offs) em casos de construtores, empresas de desenvolvimento etc., fiquem encobertos, donde a necessidade de que falam. Pois se não é assim que se passa nos outros países e os políticos não têm necessidade de cobertura, porque é que cá hão-de ter se não para encobrir a corrupção? No caso dos funcionários, por exemplo, não vale a pena tomar qualquer medida contra os funcionários se não se começar pelo princípio: a substituição de todos os chefes que foram nomeados.

Há outras soluções necessárias para uma melhoria da situação e o extermínio da corrupção que tudo destrói neste país em benefício duma classe oligárquica de mafiosos e salteadores que roubam o estado descaradamente, mas estas são as mais urgentes. Outras também são altamente necessárias, tais como a redução do número de parasitas, o número de ministros, secretários e assessores – cerca do triplo do tempo do malfadado Estado Novo –, mas as primeiramente enunciadas são as principais e o começo indispensável.

Tudo o resto é atirar areia aos nossos olhos. Promessas, mezinhas, falar em emprego, em tecnologia, e tudo isso, não passa duma treta de miseráveis vigaristas, inútil sem que antes se comece pelo essencial. Parlota para entreter e enganar os eleitores, fazê-los tomar causa pelos partidos, dividi-los para que não se unam contra a corrupção que lhes convém, de que vivem. Veja-se um texto mais extenso sobre o mesmo tópico.

5 mentiras:

A. João Soares disse...

Gosto da estrutura deste texto. Não diz mal, apenas apontando o problema, e, o que é essencial, diz qual é a solução, indica o caminho para uma administração saudável. Está aqui o trabalho que devia ser feito pelos assessores, mas estes, como são demasiados em número nem têm tempo para fazer uma análise isenta e imparcial. Sem as alterações aqui sugeridas Portugal não pode ir longe. Mas com reparos como este, feitos com perseverança e esperança nos seus efeitos a longo prazo, há-de fazer-se a restauração da dignidade nacional.
Por isso, força Amigo, não esmoreça.

Um abraço

pordentro disse...

http://asinistraministra.blogspot.com/2007/06/repugnncia-nojo-repulsa-so-os.html

Moriae disse...

Peço desculpa pelo link da sinistra estar aí tão desamparado ...
Podentro, andaste em campanha? LOL Já vi este link nalguns lugares hoje e entendo ... remete para um texto da Maria Lisboa que é realmente algo aterrador ...
Pelo desculpa pelo descontexto deste meu comentário!

J.G. disse...

Livra, que aqui bate-se bem!...

Força, que avisar é preciso!

Saudações.

Jorge G

Meg disse...

Cito Errico Malatesta:

A anarquia é a abolição do roubo e da opressão do homem pelo homem
...é a destruição da miséria, da superstição e do ódio.
...Cada mentira desvelada, cada esforço tendente a elevar a consciência popular e a aumentar o espírito de solidariedade e de iniciativa, assim como a igualar as condições de vida, é um passo rumo à anarquia".
Há mais de um século, e tudo está (quase) com dantes!
Um abraço Pro-A